sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

A- bó-bo-ra. Destesto. Logo se vê pelo meu jeito , pelo meu gesto

Fui criança de outros tempos. Quando se aprendia a declamar.E eu ganhei uma bolsa. Minhas irmãs eram as declamadoras , eu era pequena.Mas, de tanto ouvi-las, acabei decorando tudo,para ódio delas que tinham
De se esforçar para decorarem.
Então, entre tantos, havia o livro de poemas para  criança da autoria da professora. " A Criança Recita" de Magdalena Lea , como meu livro já está sem capa, fui descobrir detalhes sobre a poetiza aqui
Adoro seus poemas infantis! Um deles era meu predileto, coisa que ainda sei de cor e o declamava para a alegria da criançada em palestras, quando eu as fazia. Chama-se História Triste.
Lá pras tantas a heroína declara a frase que intitula este post  mas o faz em relação ao doce de abóbora.

Também fui assim, criança e jovem detestando todas as abóboras que não virassem carruagens.

Até que um dia descobri a delícia da abóbora. E foi exatamente na última palestra
Em que declamei o tal poema na Feira de Livro de Porto Alegre. Era doce e salgada, macia e
Crocante. Um oxímoro vivo! Algumas tentativas depois, descobri a maraviha no grill,
Apenas isso, pouco azeite, fatias finas e rígidas de abóbora salpicadas de sal. Tostam-se e comem-se!

Quando comecei a plantá-las, lembrei-me do Jovem Fazendeiro, quando Almanzo, ainda
Criança, cria uma abóbora no leite. Ensina a cortar todas as flores, deixando apenas uma
E a mergulhar as extremidades no leite. E pronto! Uma enorme abóbora lhe rendeu o prêmio
Da feira!
Ótimo livro, não entendo como a Record não reedita. Se o fizesse, eu mesma recompraria
A coleção por causa da nova ortografia. Soube que este ano haverá três livros da Laura Ingalls reeditados!!

Enfim, na agenda Gourmet de 2008, surge uma receita intitulada "Pão de ló de abóbora e carne seca"
Não tenho carne seca  e  nunca fiz. Mas farei.
Assim peguei a receita que se segue  e modifiquei:
6 ovos ( ovo demais pra mim, um só basta)
2 colheres de sopa de manteiga (nem pensar, uma colherzinha de azeite)
3 colheres de sopa de farinha de trigo( já que tirei os ovos, passo para duas de sobremesa)
100g de batatas cozidas e amassadas( não pesei,peguei umas 4 batatas médias e já deixei cozinhando no vapor com sal e abóboras)
250ml de leite( pinguei )
200g de abóbora( coloquei o equivalente à batata
1 cebola ralada ( já as tenho fatiadas num tupperware na geladeira, peguei um punhado)
1 dente de alho picado( dispensei)
1 colh de sopa de salsa picada (esqueci)
500g de carne seca aferventada ( um pouco de frango desfiado)
Noz moscada
3 colh de sopa de queijo ralado ( 1 pequena)
Sal e pimenta moída a gosto (fiquei no sal)
Esprema a batata e a abóbora cozidas e quentes acrescente a manteiga e misture e adcioneo queijo ralado e os temperos  e o leite ( não coloquei nem a manteiga nem o leite ainda)
Junte a farinha de trigo peneirada e os ovos levemente batidos
Desfie a carne e refogue com cebola e alho acrescente à mistura e leve para assar em forno baixo em m tabuleiro forrado com papel manteiga bem untado.
Aí é ver se está pronto e desenformar. Deve ficar uma delicia!
Eu fiz o frango como recheio (o azeite entrou no refogado) e usei forma de bolo
Ingles já que era pouco.

Claro que não ficou pão de ló. Ficou , evidentemente, um suflê maravilhoso de comer
De joelhos!


2 comentários:

Paulus disse...

Olá Ângela,

Grato pela visita ao meu blog e pelo comentário ali postado. Eu não coloquei link para seguidores porque, desde o início, foi uma coisa bem descompromissada. Mas estarei "corrigindo esta falha" neste final de semana.

Adorei o seu espaço, simplesmente fantástico. Fiquei maravilhado com algumas de suas receitas e, devido ao fato de eu ser um zero à esquerda na cozinha, já deleguei competência à minha filha para que possamos apreciar estas delícias.

Parabéns pelo belo trabalho!

angela disse...

Ótimo!
Pois moro no mato, e minha conexão é péssima, assim, seguindo, fico em dia com mais facilidade.
Vou postar comidas compradas prontas:-)