domingo, 30 de janeiro de 2011

Tirando onda

Tudo começou com uma discussão. O marido disse que não tinha nada para comer. Bem, homem quando diz "não tem nada pra se comer nessa casa" equivale  a quando a mulher afirma que " Não tenho roupa nenhuma" Só que os papéis se invertem. Não é ele que aponta aquele vestidinho que ficou tão bem na gente no dia do aniversário da madrinha, e que nos incomodou a noite inteira, ou o terninho chic da posse do chefe, que está apertado agora. É a gente que fica na frente da geladeira mostrando o resto delicioso do almoço, os ovos para o criativo omelete.. Nada adianta, pois, da  mesma forma que a gente quer o corpo, a cara e a grana da Gisele Bundchen na hora de sair, eles querem filé mignon a milanesa e batata frita. E isso não tem
- Não quero comer ensopadinho de frango pela terceira vez consecutiva! 
- Mas foi você que pediu e disse estar delicioso
- Mas não pela terceira vez.
Enfim, não é a primeira vez que a gente diverge a respeito de comida. "Gordo leva esse assunto a sério!" diz ele.
Então, às 9 horas da noite enfrentei o liquidificador Faet que não liquidifica nada para transformar o ensopadinho em croquete, pois sim, tudo vira bolinho. Mas, dessa vez, a massa recusou-se a endurecer. Lembrei-me de Julia Powell, certamente eu sofro do mesmo disturbio hormonal que ela que faz com que as coisas culinárias não solidifiquem. -ovários policísticos explicam tudo! Da necessidade de eletrólise ao fracasso da manteiga caseira. Na minha aula de culinária lá nos EUA minha torta de limão foi um desastre. Enquanto todas as minhas colegas demonstravam lindas tortas de limão durinhas, a minha era uma massa molenga com um líquido acido adocicado dentro.  Também nunca acertei um suspiro. Recusam-se a endurecer. Mas eu como assim mesmo.
Após mais colheradas de farinha e uns 5 minutos de freezer, consegui, às colheradas, croquetes deliciosos,saborosíssimos,  frutos  de três sobras de frangos independentes.  Como também estava sem farinha de rosca e só tinha um único ovo, o liquidificador faet enfrentou umas torradas velhas com certa valentia.

Lendo o livro da Isabel Allende, decidi que tudo ia mudar. Mesmo eu não tendo em casa as bebidas alcoólicas que entram em TODAS as suas receitas, mesmo que não fiquem afrodisíacas,   hoje eu ia  arrebentar! Limpei os peitos de frango, parti finos, bati, enchi de sal e limão daquela espécie que eu chamo "galego", mas pode ser que não seja, um que as minhas visitas sempre se ferram pois acham que a árvore está carregada de tangerinas .. Aí já viu.
Enrolei cada um com uma ameixa preta envolta em gergelim preto (finalmente um uso pra coisa! a Moça da China fala maravilhas sobre ele) , espetei um palito pra prender. Bonitinho. Na frigideira, azeite extra virgem e alho, agora era fritar, enquanto isso, inventar um molho! Leite, farinha, sal, pimenta e acho que curry, não tenho certeza. Pode ser que tenha sido páprica doce. O pote ficou aberto, o odor saiu, e estou confusa.  A intenção era de curry. Noz moscada, canela.. Muito bom.  Finalmente, pra arrebentar de vez, nozes processadas! Obrigada, obrigada, não precisa aplaudir!
Algumas belas couves-flores roxas em volta, e forno! Claro que devia ter bacon e manteiga, mas não posso.  Quando pronto,uma pitada de mostarda.
Ó, ficou bom.
Só não sei como reciclar para amanhã! Pois, certamente vai sobrar. E não adianta idéias que envolvam creme de leite, manteiga, queijo ralado..  O desafio é fazer coisas deliciosas  sem isso!
Ficou bom mesmo, comido com arroz branco e " cenouras finamente fatiadas, crocantes, salpicadas de sal" é cenoura crua mesmo, mas se é para tirar onda, deixa comigo!

4 comentários:

Gina disse...

Angela,
Seu ensopadinho de frango me lembrou o frango xadrez que fiz há uns dias atrás. Errei a mão feio, na quantidade, simplesmente porque era pra mais gente... Saí pra almoçar em Santa Felicidade com uma amiga, passei o dia fora, com o GPS claro, porque sou mestre em me perder... Mas o marido ficou em casa comendo frango xadrez no terceiro dia, coitado! Tudo bem que ele comeu achando uma delícia. Ainda bem!
Você é boa na reciclagem, hein!
Bjs.

welze disse...

o seu franguinho pode ter ficado uma delícia mas a postagem é um show à parte. ADOREI, um abraço

angela disse...

E haja criatividade pra fazer frango com batatas meninas!

Kenia Bahr! disse...

Hahaha, sim, tb fico aqui me contorcendo para fazer coisas deliciosas e saudáveis, sem cremes, gorduras e toda essa coisa maléfica... hehehe

Quanto ao limão, desse que parece tangerina, fica alaranjado qdo maduro né? Já ouvi outras pessoas chamarem de limão galego tb, apesar de que chama-lo assim pode ser caminho pra confusão com o galego chamado de verdadeiro. Em Bh, minha terra, chamamos de limão-capeta (!!). Em Aiuruoca, chamamos de limão-rosa. E aqui em Taubaté, chamamos de limão-cravo. Ou seja, podemos chamar do que quisermos!

O que vale é que, de todos s limões, ele é o mais benéfico e medicinal. seu poder curativo é muito superior devido à baixa concentração de componentes abrasivos. Daí as "curas de limão" serem perfeitas para se fazer no outono-inverno, que é exatamente quando os pés estão carregados e alaranjados!
Bjs