quinta-feira, 10 de março de 2011

minhas abóboras e meu marido

Vocês viram o filme Minhas mães e meu pai ? Eu vi.
É bem legal. Annete Bening tinha de ter recebido o Oscar. Está perfeita. E todos os demais estão bem. A história é essa: duas mulheres são casadas há anos, uma com a outra, e fizeram inseminação com doador anônimo e tiveram dois filhos. A Lei americana diz que , aos 18 anos, o filho pode procurar o doador, aí se o doador quiser conhecer seu filho , ok. No caso, a menina faz 18 anos, procuram o cara. E ele é legal, gente boa. E aí não conto mais. Aliás, conto sim porque está na ponta da língua, mas não agora, láaaaaaaaaaaaa no final do post. Quem não viu não lê.
E o que isso tem a ver com as abóboras?

É que eles são meio naturebas. O cara legal tem um restaurante Local food, deve ser igual ao slow food, só que eles usam a palavra local. E, tirando uma torta, as refeições são sempre com vinho e muita salada. Morro de inveja do povo do hemisfério norte que pode comer do lado de fora. Em Paris comi assim, no jardim. Não há insetos!!!! Aqui, a gente churrasqueia espantando mosca.
Então, então a maior parte da minha alimentação é local, e a quantidade de abóboras naturais, se defensivos , juntou uma coisa com a outra.
Ontem, além de secar um tanto , que ficou delicioso embora tenha reduzido impressionantemente o tamanho da coisa ( tem que se ter cuidado,pois , com ela seca, a gente corre o risco de comer uma abóbora inteira!) me deu varias idéias. Dessa vez sequei a de pescoço, agora tentarei a moranga, e ainda vou experimentar temperando as fatias antes da secagem.. com sal ficou um ótimo chip!
Então, além da secagem fiz.. hum........waffle!!
Além da cor linda, ficou ótimo, delicioso e de todo jeito. Com mel, manteiga, margarina, puro.. como a abóbora é molhadinha, ele ficou com uma camada muito fina e delicada crocante, fina mesmo, e por dentro suflezinho. A receita deu para 3 waffles duplos,ou 5 individuais, dependendo de quanta massa você colocar na máquina. E, como eu comi sozinha porque o marido não gosta de abóboras  a não ser raramente em certas ocasiões etc e tal, claro que não dei conta .. mentira, comi tudo, deixei um pedaço para colocar , tchan tchan tchan tchan!! na torradeira e ficou Bárbaro!
A receita veio desse site que minha amiga Marion indicou. (adoro ela. Acredita que a gente se conhece desde os 11 anos e nossos filhos estudaram juntos e tudo? )  e acho que essa belezura vai ficar deliciosa se usada no lugar de pão em um ótimo sanduiche de queijo prato pra quem puder comer queijo prato!

Um ovo , usei caipira.
¾ de xic. de purê de abóbora cozida
¾ de xic de leite , usei desnatado
½  de farinha
1 colh de sopa de manteiga derretida (usei margarina Qualy)
1 colh de chá de fermento em pó (usei royal)
½ colh de chá de sal.

Bati o ovo na batedeira, quando estava fofinho, juntei o resto ainda na batedeira e coloquei na chapa quente.. UAU!! como é bom ter paladar!
Agora, meu comentário sobre o filme:
Ah, não vou comentar não :-) mudei de ideia, vou comentar no site do Multiply! Assim não estrago nada de ninguém que tenha lido

5 comentários:

Fer Guimaraes Rosa disse...

Angela, eu fui toda entusiasmada ver esse filme, porque a ideia é genial--a familia com duas mães, que esta ficando cada vez mais comum [com dois pais tambem]. Mas me decepcionei muito, achei que o filme entrou por caminhos muito medianos. Mas porque vivo no mesmo estado das personagens, me identifiquei com os detalhes da comida. Aqui esse negocio de local esta quentissimo. Eu mesma sou uma LOCAVORE, tento consumir o maximo de produtos da minha regiao, quanto mais perto melhor. Acho muito legal isso, porque apoia os produtores locais e mantem a grana circulando pelo lugar onde a gente vive. Isso é muito poisitivo. O personagem do Mark Ruffalo tem um restaurante como muitos que eu frequento por aqui--natureba chic, uma nova maneira de ser hippie! ;-) E ele tem uma horta organica, que supre as necessidades do restaurante, outra coisa que esta ficando muito comum por aqui. Emfim, California e seus modismos. Mas eu adoro tudo isso! Espero que você consiga usar todas as suas aboboras, abra uma por vez e vai em frente! beijo,

Renata Boechat disse...

Uai, nem tinha visto esse filme ainda...mas nunca é tarde, vou a procura!

Agora,se tiver abóbora demais por aí, pode mandar pra cá...a gente dá um jeito nisso...rsss

Mas, de tudo isso o que eu mais gostei mesmo foi do vídeo que voce me mandou, put´s, amei! Posso postar no meu blog? Agora, fiquei curiosa pra saber o que está escrito lá...vou dar um jeito de descobrir um traslator dinamarques/portugues né?

Obrigada pelo seu carinho lá no EternosPrazeres,

Abraço grande,

Beta disse...

Angela, fiquei curiosa para ver o filme!
Eu não sou fã de abóbora, mas seu waffle ficou tão apetitoso que seu vontade!
bjs

Andréa disse...

Angela,
eu também fiquei curiosa igual a Beta pra ver o filme, já tinha passa por aqui hoje mas estava dando erro na net.
Eu amo abóbora se eu fosse sua vizinha ia dar uma passadinha por ai, rsrs.
Seu waffle ficou show!

bjs,
Andréa...

Renata Boechat disse...

Oi Angela, deve ser porque ainda estou no começo, até agora só aconteceu coisa boa, o cenário me parece bastante bucólico, e os personagens tem se comportado muito bem...agora voce me deixou curiosa, vou ver se consigo avançar um pouco mais...e voltamos a conversar!