sexta-feira, 15 de abril de 2011

Ah, não! Aloz di novo!!!

Dizem que chinês tem os olhinhos puxados por causa disso: olha pro prato, coloca as mãos no rosto, o que faz os olhos puxarem e lastima: ah, não! Aloz di novo!
Bem, eu não ia falar nada disso, mas é que é uma coisa tão fabulosa que não posso guardar só pra mim:
Ah! mas antes de contar, aviso para a Chris que a resposta do livro mais bonito do mundo está na última linha desse post, então não leia!
Onde é que eu estava mesmo? Ah,sim, na coisa fabulosa que seria egoísmo guardar só pra mim:
 pão de arroz!!!!
O marido gosta de arroz. E fresco! Feito no dia! claro que às vezes se submete a um requentado, mas por amor, não por preferência. E olha sou boa em requentar arroz! pode ser no microondas; pode ser na máquina de fazer arroz (nessa dá até pra enganar que é fresco! acrescenta-se um tico de água e pronto) e pode ser na panela assim, ó:
 fogo alto. Panela tampada. Quando a tampa da panela ficar quente de verdade, abaixa o fogo e coloca um pouco de água fria (a quantidade depende da quantidade de arroz) e tampa-se a panela deixando um pouquinho aberta. Perfeito!

Bem, mas no dia em que faço pouco arroz o marido acordou com vontade de comer muito arroz. No dia em que faço muito ele decidiu comer só lazanha. Parece que adivinha! Resultado: sobras de arroz! e haja bolinhos e waffles que, em geral, só eu como.
Ah! mas dessa vez TRÊS vasilhas com sobras de arroz. TRÊS!! pesei: 800 g de sobra! E eu tinha feito arroz fresco!
Resolvi transformar em pão.
1-  no liquidificador coloquei UM ovo; meia xícara de queijo parmesão ralado, duas colheres de sopa de azeite, meia xícara de leite desnatado.
Bati .
Depois, aos poucos porque o meu liquidificador é uma porcaria faet, fui colocando o arroz, ah.. que saco, tem que bater um pouco, desligar senão a coisa esquenta, e mexer com a colher pra parte já batida ir pra cima e o arroz pra baixo.. mas consegui. Bati tudo.
2- Dissolvi um sachê de fermento biológico em 2 colheres de açúcar, meio copo de água morna, uma xícara de farinha .. daí a pouco, juntei a gororoba de arroz do liquidificador e misturei com mais farinha.. ah! eu tinha apenas 259 g de farinha! então coloquei maizena também.. ah! eu tinha só meia xícara de maizena! Acho que o ideal seria colocar a mesma quantidade de farinha, algo próximo aos 800 g.
Então a massa não ficou perfeita, ficou pegajosa. Enfiei tudo no ciclo massa da máquina de pão. Que lindo ficou! alto, fofo.
Em tabulheiros untados, fui colocando as mãozadas de massa, ela não afundou como massa de pão afunda. Então, deixei em forno alto por dez minutos, baixei um pouco, levou mais do que meia hora para assar.

QUE DELÍCIA!!!!
Com queijo, manteiga , requeijão, franguinho desfiado, a sardela que a moça que não come carne deixou aqui ficou bárbaro( é com anchova, sardinha, pimentão, e muito suave)
E puro! Um pão macio, perfeito que parece pão mas na hora que se morde é uma surpresa! E imagino que possa ficar mais interessante ainda com orégano na massa, mais queijo, coisas assim.
Aí o chinezinho não vai dizer aborrecido, aloz de novo.. e sim, oba! aloz de novo!

.Chris não leia a resposta!!
.
.
,
.
.
Então, como eu disse, era a nossa cara!
Em cada uma daquelas páginas estava a verdadeira herança e comunicação síntese de cada mulher: uma receita!

7 comentários:

Chris L. disse...

Não li! :))))

ameixa seca disse...

Não sou a maior fã de arroz mas adoro pão :)

Renata disse...

Tá vendo? Pra tudo tem jeito nessa vida! Pãozinho de arroz eu nunca tinha visto, muito prazer, vamo que vamo!!! Infelizmente em casa arroz não sobra, faço pouco, pq eu mesmo não gosto, mas em caso de...pãozinho de arroz!

Ah, e obrigada por me chamar de "linda"...ganhei o dia!!!!rssss

Abraço pra voce!

Kenia Bahr! disse...

Aiiiiiiii amei, amo arroz...qualquer arroz...
Estive aí por perto, dias lindos de friozinho de manhã e água gelada e corrente durante o dia...
Bjs

Anônimo disse...

Ah que lindo...receitas...seus maiores tesouros à enviar às famílias...amei.
Bjka, Mara

angela disse...

Cris,não leia os comentarios!!

E não é, Mara? receitas são didáticas, são culturais, são o que temos de melhor. Renata, vale a pena fazer arroz apenas por conta do pão, juro! E não é linda?
Kenia! estou de mal!! e não passou aqui pra um cafezinho com biscoito? humpf. zanguei!:-)
Ameixinha, então já sei: nada de arroz com passas!

Kenia Bahr! disse...

Um dia desses vou aí, mas combinamos antes né... e vai ter que ser chazinho...aliás, vamos fazer um frnago caipira bem mineiro uma hora?
Zanga não! Beijo :-)