quinta-feira, 21 de abril de 2011

Sou rica , rica rica de marré deci!

Eu devia falar sobre coelhos,páscoa , chocolate, mas uma urgência apareceu: saúde da pequena menina. 



Bem, minhas manhãs são alimentares: preparo alimento de marido e alimento cachorro, passarinho, plantinha e minhoca



Agora, às tardes também o são, pois, além de regar a hortinha de temperos e dar a refeição principal dos cachorros, a menina pequena vem lanchar comigo. Durante o  lanche, falamos de assuntos variados: como foi a escolinha, o que é o dia do Indio, cores e céus.  Isso porque  a menina,que já não era de comer,parou quase completamente: uma gripe forte a abalou. Falei para a mãe que, então, devia dar alimentos fortes, como fígado.. Mas a mãe foi peremptória: -Ela não come fígado de jeito nenhum, odeia o cheiro.
Fiquei quieta, pois também odeio a coisa, sempre odiei. Eu e a Andrea, né? Qualquer tipo. Até o chique foie gras, tô fora. 
Mas, fiz que nem a companheira que acompanha da canção do Tatit:
Me viu pensando, quis pensar junto
"pensar é um ato tão particular do indivíduo"
E ela, na hora "particular, é? duvido"
Não come é? duvido.
Fritei um pequeno bife de fígado no azeite e sal, em tirinhas, com cebola. Um pingo de mostarda,tirinhas de presunto e bati tudo, como um patê. Coloquei de recheio em fatias macias de pães-de-forma recortados em estrelas, com cortadores de biscoito. Fiz um céu no prato. Pequenos sanduiches de estrela, uns de fígado outros de gema de ovo. Conversamos sobre céu, se era a primeira vez que comia estrelas, qual o gosto das estrelas:
- Essa é de carninha, né tia? A outra é de manteiga..
- Qual você gosta mais?
- A de carninha...
Rá!
E assim foi o primeiro dia.
Comida de criança tem que ser que nem de princesa ! Como as do Rei Sol, como se Vatel fosse o encarregado !  As crianças não sentem como a gente, para elas tudo é novidade, o que, por um lado, as deixa abertas para aceitar o desconhecido, já que ele se apresenta diarimente, por outro, sua sensibilidade inaugural também é suscetível a texturas, caretas dos pais  e preconceitos. Se isso acontece com crianças que chamamos de "normais", imagine com as crianças que tem necessidades especiais! No meu livro Rodas pra que te quero, onde, juntamente com a inspiradora Marcela Cálamo, contamos suas experiências como criança cadeirante, Tchela, a protagonista, lidera um motim contra o pirão de peixe do colégio. O livro João Agitadão, de Lia de Paula, também inspirado pela realidade de uma criança hiperativa, mostra como a criança , em sua agitação, pode comer com uma lentidão aparentemente incompatível ou mesmo não reparar quando derruba a comida do prato e se espantar , como o o perguntador de "cadê o bolinho que estava aqui? o gato comeu" 


 
Assim, no segundo dia, a menina veio e comemos um coelhinho da Páscoa( ufa! consegui enfiar a Páscoa no post!) 
Bem, pelo menos nos pareceu um coelhinho ! ovinhos de codorna e maçãs. E conversamos sobre lebres e coelhos  e ovos e galinhas.
Assim foi o segundo dia.

No terceiro dia, lembrei do Rei Sol. Ah! como é bom comer coisas bonitas! Rei é coisa de fartura e de beleza. O livro do Rei Bigodeira em sua banheira é excelente!( O rei, e aqui pra nós que ele não nos ouça, me lembra um pouco o marido. )Então, nesse dia,ele não saiu da banheira, pra nada. Até o banquete foi na banheira! Enquanto isso, em Versailles, no ótimo livro-jogo Le Palais aus 100 festins, os banquetes são preparados. Vemos a trabalheira toda, o fogo na cozinha, a colheita de frutas, a fuga das galinhas. 
Então, depois de termos comido as estrelas, era dia de comer o sol. A mãe dizia que a menina não comia  geleia de mocotó de jeito nenhum.. não come? duvido! Banana prata amassada com geleia de mocotó Imbasa , detalhes em ameixa preta! 
Prato raspado. E assim foi o terceiro dia.
Faltava o arco-iris. Já viram as belezas que fazem hoje em dia com gelatina? Essas são da loja canela bakery, no youtube há vários videos ensinando a fazer. 
Quando criança, meu pai criava um minúsculo mundo de miolo de pão pra mim! eram pássaros e rosas que saíam de suas habilidosas mãos. Minha avó, modelava o feijão com arroz em forma de Pato Donald e eu ia comendo o bico, o chapéu..
Então, foi a vez de comer arco-íris! Comprei todas as cores de gelatina, basta fazer uma de cada vez, esperar endurecer, colocar a outra cor. Levou um dia pra ficar pronta. A árvore de uvas verdes, caule de banana, nuvens de maçã. Aí, conversamos sobre as cores, dei lápis de cor e ela descobriu que o verde poderia ser criado a partir da mistura do azul e do amarelo! E um mundo de cores se abriu.
  E assim passou o quarto dia.

Feriados, a menina não virá lanchar , então, como os reis e suas esculturas, entreguei a ela o almoço de hoje, não tão sofisticado como os bento box art (imagem tirada daqui) já que não temos os cortadores adequados, mas tão divertida quanto!






Feijão preto, arroz para o rosto. Ovo de codorna e feijão para os olhos. Nariz de ameixa. Língua de beterraba, gravata de batata baroa(batata salsa ou mandioquinha) contorno de peito de frango, tudo sobre uma farofa de farinha de mesa (ou farinha de mandioca) e cenoura ralada.
E assim foi o dia de hoje e a menina comeu tudo! como a beleza dos ricos!!
                             Feliz Páscoa a todos!

18 comentários:

Fer Guimaraes Rosa disse...

Angela, tambem sempre odiei figado, odeio até hoje. como odeio quase todas as partes dos animais e os ovos. eu sou um caso crônico. mas nunca tive problema fazendo meu filho comer. se ele gostava, comia. se não gostava, não comia. muito legal essas comidinhas divertidas e tals, mas desse jeito precisaria ter uma pessoa criativa como você em cada casa, pra fazer a criançada comer brincando. ;-)

Muitos fofos os seus livros!

Andréa disse...

Meu esposo ama fígado eu detesto, rsrs.
Amei seu post, suas fotos estão lindas.

Desejo a você e toda sua família ua belíssima páscoa!

Beijos,
Andréa...

Anônimo disse...

Querida Angela , adorei saber que vc escreveu um livro infantil sobre um cadeirante, as vezes as crianças sabem ser crueis o preconcito existe e eu sei disso muito bem. Tenho um filho (especial) ele e deficiente mental ele tem microcefalia. Tudo pra nos e mais dificil escola, saude,essa lei da inclusao e linda , no papel porque na pratica nao funciona de forma alguma as vezes precisamos matar um leao por dia mas , sempre conseguimos e no final do dia dou graças por ter ele como filho. Que vc e sua familia tenham uma pascoa abençoada por Deus desculpe escrever tanto hoje to precisando beijos Denise vou esperar vc me escrever to anciosa.

Renata disse...

Legal como nos seus posts uma coisa vai puxando a outra...Tudo começou com um bife de fígado, e se viram refeições super coloridas e hiper saudáveis!!!

Aproveito pra agradecer o email "a minha cara" e deixo votos de uma Feliz Páscoa!

Tchela. disse...

Aprendi a gostar de fígado, mas passei maus bocados sendo obrigada a comê-lo num tempo em que vivia anêmica. Fiquei boba com sua paciencia e critividade para fazer a menina comer. Felipe, aqui. é difícil de agradar, tem um cardápio restrito, uma dureza.

Muito bom te ler de novo.
Beijo

Alan Romero disse...

Adorei ler esse texto. Como qualquer criança, tive minhas birras, com maxixe, chicória, jiló. Fígado era uma delas. Aos poucos fui me livrando dos bloqueios. Só fui gostar de jiló quando minha mãe fez um doce de figo... sem figo! Do figo só tinham as folhas, o doce era de jiló mesmo. Claro que ela não disse. Só fui saber depois que tinha elogiado. hehe

angela disse...

Oba! quanto papo bom.
Então, Fernanda, acho que não seja só "uma pessoa criativa" A Santa sempre fazia rosas fantásticas de tomate para as saladas. Sempre apresentou os pratos lindamente, era o jeito dela. Capricho ou humanização de seu trabalho como doméstica trazendo encantamento e carinho.
Sim parceira! esse tipo de paciência sempre tive, mas nunca considerei paciência, pois como fui criança enjoada,como Felipe, não quis que meus filhos fossem pois é pior para a criança do que para o adulto. Eles ficaram mais restritivos depois de grandes!
Alan!! que prazer! Ah, eu preciso dessa receita de doce de jiló!!
E essas gelatinas não são a sua cara? você que gosta de coisas tão bonitas. Lembrei de você e da Gina que é tão caprichosa.
Andréa, se a gente não morasse tão longe.. o marido também gosta! Ou gostava, pois há 12 anos não come mais :-))))))
Denise, escreva quanto quiser! Tem letra, eu leio! É, o preconceito existe e em relação a tudo. Lembro que no meu ônibus escolar eu era a única menina que se sentava ao lado de uma que tinha algum tipo de problema mental, a garota se chamava Denise, e já tinha busto, já era desenvolvida e tinha dificuldades na fala, salivava mais do que as outras, e a maioria tinha nojo em vez de ajudá-la, pois, certamente ela não gostava disso também. Não entendo muito bem o medo que temos do diferente. Em todos os meus livros para jovens , todos, há todos os tipos de sexualidade e etnias. Rodas foi um livro que sonhei, a conheci virtualmente Tchela e pronto. Ainda não me ocorreu escrever nenhum com personagem com dificuldades mentais,mas já tenho texto no computador para outras características. Este ano sairão dois livros para jovens com personagens muuuito variados.
E Feliz Páscoa!!

Mundo do Sabor disse...

Ângela ,fico feliz em ter encontrado seu blog, você é de uma sensibilidade tão natural e envolvente.Gosto muito dos seus textos.
Gosto muito também de fígado, minha mãe sempre incluiu no nosso cardápio na infância,ela ainda hoje faz um fígado macio e com um molho delicioso,que como rezando;minhas filhas também comem facilmente.
Que forma mais linda e poética de fazer a garotinha comer o que precisava e talvez ninguém tivesse apresentado a ela de forma que você apresentou: chamo isto de comida "ilustrativa" e com texto falado.Porque o que os pequenos precisam mesmo hoje e sempre é de alguém que lhes dê atenção,carinho e transformem este mundo cinzento numa página bem colorida e interessante.
Amei tudo.

Beijooos

www.mundodosabor.blogspot.com

doces abobrinhas disse...

Olá querida passei para desejar uma Pascoa cheeia de alegria, um bj doce
Roberta
www.docesabobrinhas.com

Nicole Rodrigues disse...

Estou completamente encantada pelos seus textos. Tanto que fiz um post comentando esse "achado" em um dos meus blogs e tomei a liberdade de postar um dos seus textos (como devido crédito e link, é claro).

Te encontrei no Multiply e fui seguindo os rastros deixados pela sua sensibilidade até chegar aqui :)


Segue o link para o post que publiquei agora pouco:

http://acefalando.blogspot.com/

Um abraço e feliz páscoa!

angela disse...

Carambola!! quanta gente legal!! Nicole, já fui lá e pitaqueei!Estou te seguindo.

É verdade, você foi uma das primeiras! aí eu te achei também e fico babando com as comidas que você prepara pra sua família. E você é das boas pra fazer pães enfeitados em forma de bichos. As filhas devem ter orgulho da mãe!

Boa Páscoa!

Nicole Rodrigues disse...

Que bom vê-la no Acefalando! Seja bem-vinda!

A Beatrix tá aqui ó, nome outro blog:

http://uterovazio.blogspot.com/2011/04/beatrix-potter-e-pedro-coelho.html

:-) Feliz Páscoa!

Nicole Rodrigues disse...

http://uterovazio.blogspot.com/2011/04/minha-tese.html

:-)

Anônimo disse...

Cade vc to com saudade!!!!!!! beijos Denise

Kenia Bahr! disse...

Amei, Angela. E vou pensar nas palavras que li, sei que vou almoçar pensando nas estrelas hj ;)
Ja tou com vontade de ler livro infantil agora... hehehe

Beijo

Dri Dauzacker disse...

Adorei seu post, adoro figado mas meu marido detesta, aqui em casa nunca fiz... fiquei com vontade de comer esse prato super colorido e divertido e voltar a infancia...
Bjim

Priscila Rivera disse...

Finalmente tenho tempo pra escrever aqui...
Ai,que felicidade! Pela primeira vez posso comentar aqui de algo que entendo de verdade!! Pois sobre as receitas só posso ficar na vontade já que não consigo acertar,risos!
Então vamos lá: Comida "ilustrativa"
Entendo mesmo do assunto e adoro! Já fiz e muito. Acho que é a melhor forma da criança comer,mesmo que não tenha problemas pra comer seja lá o que for,ver um prato apresentado assim faz muita diferença...é divertido pra elas,torna a refeição mais interessante. Eu não entendo bem como pode criança não gostar de certas coisas,penso que se o adulto acostumar desde pequeno e só oferecer os alimentos certos é só aquilo que vai conhecer e gostar!Se apresentar Mc Donald´s e outros aí já era né,porque é mais gostoso mesmo! É claro que isso até uma certa idade,tem uma hora que não dá mais pra esconder que certas guloseimas existem né...

- Essa é de carninha, né tia? A outra é de manteiga..
- Qual você gosta mais?
- A de carninha...
Rá!

É isso aí!! :-)))))))

Teve uma época que eu passava horas criando cardápios para lanches de escola. Nada de fandangos,salgadinhos e refrigerantes...fazia sanduiches engraçados e tal. Tem um de borboleta que é lindo.Tenho uma lista enorme!!

Vc fez um belo trabalho Angela!!
Essa estrela ficou linda.Faz uma estrela pra mim? ;-)
Nossa,aquilo ali é gelatina? Não,eu nunca tinha visto! Que maravilha mesmo!!!
O rostinho do almoço ficou uma gracinha!!!!

Esse negócio de fígado é engraçado...eu odeio também sabe,já provei e que gosto horrível. Mas acredita que eu adoro o cheiro?? Dá até vontade de comer mas não tem como não!

Evelyne - Bentô Kids disse...

Olaaa! :) Adorei!
:)
Vc tem facebook? entra lá no nosso grupo! Chama-se Bentô Kids
:)
Beijos