sábado, 30 de julho de 2011

Implicante

Descobri que sou implicante com o advento de enteada. Pois é, eu não sabia, eu achava que eu era simplesmente mãe e educadora. Rá rá. Que nada, implicante. Por exemplo, vi na tv uma moça ensinando a maquiar. Não entendi nada, pois ela era muito estranha.  E ela diz que sabe tudo sobre maquiagem. Pensei: se sabe, porque não usa nela mesma? mas, enfim, sou implicante. Não curto maquiagem, mas na minha idade, de vez em quando a gente precisa, mas .. tenho medo do sorriso branco do Cesar Encantador de Cães e também tenho medo de boca com batom vermelho. A meu favor o fato de serem implicâncias teóricas. Tenho certeza de que se eu conhecesse o Cesar Encantador de Cães ou algum sorridente de boca vermelha, mesmo se borrasse o dente, e a pessoa fosse legal, não ligaria a mínima.

Mas implico. E implico com algumas palavras.  Implico também com palavras estrangeiras desnecessárias. Tudo começou com a palavra drink . Odeio a palavra drink. Acho pernóstico. A gente tem a  ótima palavra bebida, não precisamos de drink pra nada. E a moça estranha que ensina maquiagem disse na tv que aquele tom de esmalte ou batom cor de boca, natural chama-se "nude" Ai ai...  Então tá.

Não implico com palavras estrangeiras que surgem com artefatos novos, não, isso não. Pode ser mouse pad , principalmente porque a gente acaba pronunciando MAUZI PÉDJI , pois antes do computador não existia essa coisa, e ou traduzíamos como nossos irmãos portugueses e espanhois o fizeram ou adotamos a palavra inventada.  Também não implico com DELETAR ou DEL. A gente tem apagar, sumir, desaparecer, um monte, mas deletar é deletar. 
NO inicio implicava com petit gateau , a gente podia dizer bolinhos, mas , embora eu nunca tenha comido um na vida, vi que era diferente, era um bolinho com um creminho derretido dentro, então ok. Ah.. mas wrap foi demais pra mim! Embrulho, envoltório, enrolado..  Wrap tem a letra erre e não é erre como em bruxa, ou erre como em erre mesmo. É erre como em porteira do interior.  Difícil de pronunciar.

Mas comprei esse aí (cuja imagem peguei no search do google, a foto não é  minha não é de um site chamado rainhas do lar, explico logo que há muita gente na internet com muito carinho sobre suas imagens como se fossem obra de arte, e antes de me levarem ao tribunal me chamando de ladra, aviso: peguei não nego),  apesar do trocadilho infame do nome , pelo menos não é wrap.  Eu já tinha comprado o light ( outra palavra apropriada pois não tínhamos equivalentes , pois não quer dizer somente leve).. blearghson!! HORRORÍVEL! nem os cachorros comeram. Mas esse Rap 10 da pullman é nota dez mesmo!!!


Então fiz o que a embalagem manda, tostei na frigideira sem untar,  e coloquei um pouco de mussarela, bem fina e vi que era bom.  Aí, meti aquele conjunto de coisas do último post e oh!! vi que era ótimo!! Esse rap é perfeito! fininho, crocante, leve, tudibom!! Pode até chamar de wrap que não implico!!!!

7 comentários:

Amanda Luna disse...

eu adorooo bimbo, sempre compro pelo menos uns 2 pacotes na compra do mês, porque ele quebra um galhão na hora do lanche ou do café da manhã!! dá para fazer pizza de frigideira com ele também!! hummm delicia!
beijuuu
blog: www.sermulhereomaximo.com.br
loja de makes: www.sermulhereomaximo.com

Beta disse...

Eu sou totalmente a favor de usarmos nossa língua, fica bem mais fácil!
Adoro esse rap10, quebra um galho! Fica uma delícia com queijo e goiadada! bjs

Anônimo disse...

Wrap ou rap adorooooo muito bom alias , se por uma boa carne moida bem temperadinha e bem sequinha hummmmmm fica de lamber os beiços num bom e velho portugues kkkkkk beijos Denise

DW disse...

Wrap eh nome de franquia (americana, for sure, como Maquedonaldos ) assim feito gilete; donde, para a embalagem do produto no Brazil, tem que ser Rap, mesmo.
O Wrap da franquia esta para o da embalagem- que eu tb como e gosto, (tem foto de um de ovo no meu blogue) assim como as almondegas do BigueMaqui estao para as nossas, caseiras. Algumas ate, caseiras, sao melhores, mas nao tente convencer as criancas (com cedilha) disto.
Tem loja Wrap no tal do chopingue Lebon.
Meu IPad, e o de todo mundo, por enquanto, eh americano, nao tem acentos, cedilha ou til, by the way.
lol
bom domingo, desculpe as brincadeiras ;-))))))
ps: pede pro filho que gosta de cozinhar te ensinar a carne moida que eu ensinei pra Santa, fica supimpa, dentro do Rap

Gina disse...

O estrangeirismo dá "pano pra manga".
Cupcake, por exemplo, não dá pra ser traduzido por bolo de xícara, mas tem umas peculiaridades... Então, fica caupcake mesmo.
Esse rap eu uso e gosto. Dá pra substituir até a pizza de frigideira. Coloco na chapa de ferro sobre o fogão e vira pizza. Por falar em pizza, já pensou falar pítissa? Ou seria pítiza... rs?
Implico com bowl, totalmente desnecessário. Tigela, tigela, tigela!
Não nos "conhecíamos" ainda quando publiquei esses posts e acho que você vai gostar (tem tudo a ver com o seu):
http://www.nacozinhabrasil.com/2009/04/ao-pe-da-letra.html

http://www.nacozinhabrasil.com/2010/03/brincando-com-os-termos-culinarios.html

Bom domingo!!

Fer Guimaraes Rosa disse...

Angela, talvez lhe falte a experiencia de ser roubada, pra voce entender porque tantos blogueiros ficam tao bravos quando suas fotos sao usadas por outros sem credito, como se elas fossem de ninguem. ja tive essa experiencia ultra estressante quando descobri uma revista brasileira ganhando dinheiro as minhas custas, com minhas fotos, textos, ate o meu gato tava la, ilustrando uma pagina onde eles garantiam eficiencia e honestidade. é pra gente subir pelas paredes. portanto, dar credito nao custa nada, porque é a coisa certa. beijo

angela disse...

OI Fer! Muitas vezes! Não na internet, já vi texto meu rolando sem autoria sim e já vi texto meu com nome alheio, como se fosse publicação de livro, mas a veiculadora se enganou. Mas já tive conto roubado em concurso,montes. Sabe o que acho, Fer? pior pra quem roubou. Eu faço outro. Quem rouba não não faz. Mas, na internet, foto de comida, acho tolice, pois comida é comida, só não entendo levar laureas pela foto que não é sua. Aí é feio. Há uma canção ótima chamada Just a little lie, acho que da Carlie simon. Aceitar os créditos por uma coisa que não é sua é feio. Mas usar né não, na minha humilde opinião.

Há um poema meu que circula pela rede. Pois uma revista de banca de jornal, de decoração, usou , com o devido credito, mas usou. Achei errado pois, como você disse ela está ganhando dinheiro. E meu pensamento é assim>: se você vai usar um texto meu porque gostou, ótimo. Mas se vai ganhar dinheiro com isso, então quero a minha parte. Mas, talvez por isso, talvez pelo fato do poema ter saído numa revista, alguém leu e deu a dica para uma artista que fez um trabalho com ele, ela me escreveu, pediu autorização, dei claro. Estou em suas obras muuuito bem acompanhada, juntamente com fernando pessoa drummond e muitos outros:-) e quando eu for a curitiba vou ganhar uma obra linda com meu poema! acabou valendo a pena. Fer, o pior foi uma peça de teatro que escrevi juntamente com duas pessoas, eu escrevi e as outras colaboravam. Uma delas colocou no programa que era dela :-))) Não era pra ganhar dinheiro, era só satus. Senti pena dela. Eu, escrevo outra.


Bimbo? amei o nome!

Não como carne não, Denise! Já há 27 anos! Mas agora , tirando dez no exame de sangue, talvez vá ao Macdonald provar o tal CBO :-)) Tem que ser depois do show do marido, claro, vai que morro antes e estrago a performance?

TIGELA!!!!!!! Viva!!

Cupcake é bolinho. E muffin? ó tristeza!!:-))