quarta-feira, 29 de junho de 2011

Meu irmãozinho Portugal

Uma das maravilhas da blogosfera culinária é estar em contato com as receitas de Portugal. Não conheço o país, mas um dia conhecerei, claro. Tenho de conhecer. Afinal, parte de mim é Portugal. Meu avô cearense se chamava Manuel Moreira da Rocha. Quer coisa mais portuguesa com certeza?
E a moça que não come carne é portuguesa. E adora bacalhau.  Então, peguei o bacalhau já dessalgado e desfiado, uma boa refogada na cebola, no azeite, e um tanto assim de azeitonas, mais um pouco de tomate partidinho e sim, algumas alcaparras. Agora , é misturar no grão de bico que já tinha passado a noite dormindo em água limpa e ficou na pressão com um tantinho de sal durante meia hora.  Aí basta um arroz branco que a festa está pronta!
Encontrei entre as coisas de minha mãe um fantástico livro de culinária português.

As ilustrações são MARAVILHOSAS mas não trazem o nome do autor. É uma pena também não haver data, não sei de que época é. Mas, além de ótimos conselhos, de passo a passo e várias receitas simples, principalmente do tal trivial variado - centenas formas de se servir tomates, batatas, ensinamentos de economia doméstica - a autora é desaforada, o que torna tudo mais interessante. Por exemplo: "Muitas donas de casa e suas criadas cozem o peixe, pondo-o em água ao lume. É um erro grave, porque não só fica menos saboroso, com lhe tiram o seu valor nutritivo"
Outras receitas não merecem detalhes: " Coração- pode ser lardeado, estufado, guisado ou recheado"
Como ela já explicou antes os processos em outras carnes, ficamos imaginando que todo e qualquer coração merece tais tratamentos.
E o mais intrigante é que não tem NEM UMA receita de bacalhau! 
Tudo bem, o meu desfiado ficou ótimo! 


Para a Denise anônima: as florinhas acima surgiram do nada, não tenho a mínima ideia do que sejam, parecem até frutíferas, mas não estavam no barranco na semana passada.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Sem bla bla blá


Seguinte, fiz um bolo maravilhoso! Inventado na hora, coisa boa demais pra guardar só pra mim! Então, escrevo logo , enquanto a gripe permite pra espalhar pro mundo a delícia das delícias!
untar e enfarinhar a forma
Na tigela da batedeira colocar:
2 ovos caipiras
2 colheres de sopa cheias da açúcar mascavo
(bate bate bate na batedeira)
2 colheres de margarina (bate bate bate)
1 banana d´água (bate bate bate)
1 colher  de sopa rasa de canela (bate bate bate)
1 e meia colher de mel de abelha (bate bate bate e acende o forno alto)
1 colher de sopa cheia de farinha lactea nestlé (bate bate bate)
2 xícaras de farinha de trigo peneirada (bate bate bate)
1 colher de sopa rasa de fermento (bate bate bate)
mais ou menos uma xícara de leite desnatado (pra dar o ponto, e bate )
meia xícara de passas enfarinhadas, mistura.

Colocar na forma, a forma no forno, abaixar o forno pra médio e marcar 30 minutos exatos.

Obrigada! Obrigada!!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Denorex ataca outra vez! Parece quibe mas não é.

Ufa! voltou! Então, vocês já comeram arroz vermelho? Eu nunca tinha comido ou ouvido falar. Aí, abriu uma lojinha na cidade com umas prateleiras e uns sacos de cereais naturebas. Comprei por 6,90 um quilo de arroz vermelho. E fui pra internet.. Rá! me confundi!! Por um lado, eu tinha comprado o máximo das dez maravilhas do  mundo. Uma fonte de vitaminas e inas fantástica, e meu colesterol ficaria perfeito. Por outro, era uma praga pra lavoura, uma coisa que roubava os nutrientes da terra, os outros tipos de arroz morriam e coisa e tal. Não entendi nada, pois todo mundo sabe que o simples arroz branco, agulinha, por mais legal que seja, não tem nada de bom pra saúde, claro que tem o basico: mata a fome. Enfim, vou pesquisar mais.

Então, ele é uma delícia, e é feito como arroz comum só que na proporção 1 x4, 4 vezes mais água do que o arroz.  Adorei.
Mas como tinha começado a ler Literatura e Gastronomia do Fabiano Dalla Bona, fiquei influenciada logo de cara e decidi fazer bolinho do arroz pra ver como é que fica.  O livro é bem legal, é exatamente o que promete: um livro de receitas sicilianas tiradas da literatura. Alguns trechos de livros são apontados e as receitas são oferecidas. Monte de massa, claro, mas , logo no inicio, bolinho de arroz.

Eu tinha comido umas duas colheres de sopa desse arroz vermelho que tinha sido temperado só no sal, bom mesmo. E fiquei empanturrada! Ele tira a fome MESMO. Deve ser bárbaro pra quem quer emagrecer, ou trabalha o dia inteiro e não tem tempo de comer decentemente. Comi umas 8 da noite, passei a noite inteira sem fome, ainda me sentindo empanturrada, acordei sem fome, só fui ter fominha umas dez horas da manhã.

Sobrou bastante, pois o arroz rende. Então, moí no mixer, juntei um ovo caipira, um pouco de cebola, salsinha, cebolinha, hortelã, moldei e fritei no azeite.  A moça que não come carne amou, achou que era triguilho, o marido adorou, disse que vai comprar todo o estoque da lojinha.  Repetirei, pois o moço que não come farinha chega amanhã e vai se deliciar!! Parece quibe mas não é!!

:-(

Não estou conseguindo postar fotos hoje.. deu bug no blogger.. continuarei tentando..
Também ninguém da Actionaids me respondeu o mail.. recebi o kit com a foto da criança que amadrinhei mas preciso de algumas informações pra continuar e ninguém respondeu.. vou continuar tentando postar

sábado, 18 de junho de 2011

Mandando Brasa

Vocês viram aquele filme com o Kevin Costner e Paul Newman, Mensagem na garrafa?

                                          Eu não achei tudo isso, mas como não tinha
          ainda lido nada do autor e tinha amado o filme O Livro de Noeh, comprei vários livros da
Seleções que contém trabalhos do autor.
Como o nome diz, seleções, eles pegam best-sellers, dão uma resumida e a gente passa o tempo. Cada livro de capa dura custa entre 5 e 8 reais e contem 4 best-sellers.  2 de meninas e 2 de meninos. É distraído.  Então, ontem li Uma Carta de Amor, ou melhor, Message in a bottle.  Bem, o protagonista faz um churrasco americano com detalhes: "primeiro pego dois filés grossos tempero comsal, pimenta, alho em pó e deixo de molho no conhaque até o carvão ficar recoberto por uma camada de cinza.."
Aprendi no livro que ele acende o carvão com fluido de isqueiro. Aliás,esse autor me lembra um pouco as histórias da  Irmã Lucinda no Notre Dame,:todos morrem no final.
Eu comprei uma churrasqueira. Acho bacana a Neide usar antena da Direct TV pra fazer churrasco mas isso é pra quem tem prática. Apesar de eu ter sido bandeirante, morro de medo. Comprei, mas ainda sem coragem de usar.  Taí, fechadinha, mas penso: onde colocar? e o vento? E como limpar?
Mas um dia usarei. Sou louca para embrulhar peixe em folha de bananeira, acho chiquérrimo.
Enquanto isso, estreio a minha grelha! Ah! amei! eu já tinha tido uma mas não tinha me dado bem, não tinha pegado o espírito da coisa, acabava preferindo o grill do shoptime. Mas como todos quebraram, cansei. Aí o almoço foi uma delícia! E lá vai ele em homenagem à amiga de dieta:

um filé de peixe , no caso foi truta por falta de opção. Congelado mesmo, sal e pimenta sobre ele e mais uns temperos, os famosos "uquitem". Deixei esquentar com azeite Andorinha, coloquei primeiro as rodinhas de abóbora, quando douraram de um lado, virei e coloquei o peixe, sobre ele, lascas de pimentão vermelho e cebola. Aí é deixar a natureza fazer a parte dela! depois, virar .. humm.. que delicia! Tirei as abóboras bem douradinhas para não queimarem, coloquei até umas rodinhas de banana seca.  Bom demais da conta!!  E mais, pro marido, fiz peito de frango do mesmo jeito. E também batata frita em cubinhos previamente cozidos com tirinhas de presunto e cebola. Tudo aí na grelha!! E bom fim de semana pra todos!!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Pão espera marido

Caramba, o tempo passa. Quando eu entrei pra faculdade havia cursos que eram ridicularizados chamados de "curso espera marido". Psicologia ou o que fiz, Pedagogia, eram uns deles. Achavam que a gente só estava lá enquanto não arrumasse um macho. Ainda peguei esse tempo! E, pra mim, foi ontem.
Mas o marido teve que dar uma saída pra gravar e deixou saudades, claro, e eu caí doente. Será de saudades? Ele já queria mobilizar tropas de exército para me buscar! Mas, melhorei e a única coisa, além da coca-cola que eu conseguiria comer seria pão. Moro no meio do nada, então, se quero pão tenho de fazer o pão.  E eu queria o melhor de todos, o pão perfeito. E descobri uma coisa, anotem: axioma de Angela
A ordem dos fatores não altera o produto


Fiz o melhor pão da vida! 
Anh? O quê? os tamanhos são diferentes? Er... pois é, mas até meus filhos são assim,  um com um metro e noventa e outro com um metro e setenta .  Fazer o quê?  
A receita é:
um ovo caipira , uma xícar de kefir, duas colheres de óleo de canola LISA , 2 de margarina Qualy, 3 colheres de açúcar União, 6 xícaras de farinha de trigo Dona Benta, quase todo pacotinho de fermento FERMIX, uma colherzinha de sal Cisne.  Estou dizendo as marcas porque ficou tão maravihoso, mas tão maravilhoso que pode ter sido também pela combinação delas. O kefir é feito com leite desnatado Quatá, para mim o melhor dos leites desnatados. Nem parece que é. 


Ah, mas não foi simples assim! Afinal eu sou a atolada mor. Serelepe da vida, enfiei tudo na máquina de fazer pão e vim pro computador. Quando lembrei dele, a função de amassar já tinha acabado e.. .. céus!! parecia massa podre, parecia que eu ia fazer empada. Tudo embolotado, seco! Tirei da máquina, desliguei a dita, e fui descaroçando com a mão, pois tive uma freira no colégio que me traumatizou.  Freira capitalista! Apesar de eu ter aprendido que não podia se jogar pão no lixo sem beijar antes com uma vizinha, o colégio não ensinou isso não. 


Pois descarocei, acrescentei água, margarina (chegando nas medidas ditas acima) e voltei pra máquina. Pronto! inchou lindo de morrer! Separei em dois a massa, desigualmente, abri com o rolo, enrolei e coloquei em forma untada e enfarinhada dentro do forno por mais uma hora. Inchou tudo de novo!! É bárbaro, parece mágica!
Aí esquentei o forno e deixei dentro por dez minutos no  mais alto. Estou usando esse fogão de 4 bocas Continental. O meu Brastemp de 6, que é velho pra caramba, já não existem peças originais pra ele, coisa e tal, está escapando gás em algum ponto , não muito, mas sinto cheiro. Então troquei, fiquei com esse baratinho que é ótimo.  Depois de dez minutos, mais vinte em fogo médio, ou até a Raquel gritar: Dona Angela o pão deve estar pronto já está moreninho! 
Eram 19 minutos! 
E comi um inteiro, o menorzinho, e deixei o grandão pro marido grandão que teve um troço de felicidade ao provar!


E ele é o autor dessa maravilhosa canção chamada Pão que vocês deveriam poder escutar aqui   
mas não está rolando não sei porquê. Mas o CD Lucidez está à venda, também não sei como nem onde.
Fica a letra. Uma porrada.

O pão que Deus te dá, quando ele dá
Não vá pensar que o pão é seu
Tem que pagar o pão e a paga do patrão
Que Deus também te deu

A cruz da tua existência
À luz da tua penitência
E a fé que tece o véu
O véu da fé que tanto te cegou

Pra não ver que o pão que Deus te dá
É o pão que o diabo amassou




Last, but not least a minha nova chaleira!!!! Agora estou com tudo e estou prosa!! E posso assistir ao programa da Nigella inteiro pois ela vai apitar!

terça-feira, 14 de junho de 2011

Pedido de ajuda aos universitários!!

Letra grande! S.O.S! preciso de ajuda. No feriado virão para cá 4 pessoas. Somando todas as indiossincrasias, o resultado é que preciso bolar um cardápio para 5 dias assim:
1- uma jovem diabética que não come peixe
2- um moço celíaco, não come farinha
 3- a moça que não come carne nem doce nem tomate cru nem frutas
4- a professora que não come carne
5- eu que não como carne e agora cismei que não como  ovo sem ser caipira também e tenho colesterol alto.
7- o marido que não come beterraba e precisa comer gostosuras (mas não doce, doce só se for de chocolate) e enjoou de peito de frango simples.

Esse é o desafio! Se alguém me ajudar mando um livro meu , sei que não é grande coisa, mas mando! Estou adorando o desafio, claro, pois sou louca por um dever de casa, adoro fazer provas, testes (todos, até aqueles "será que vocês foram feitos um para o outro?") de revista idiota , gincana, participo de concurso cultural, enfim, esse é um desafio que me deixa babando. Já decidi pelo:
pão de queijo 
batata frita, arroz e feijão, 
sopa de mandioquinha.. mas, são 5 dias!

Obrigada pelos votos de saúde e melhoras! Acordei hoje legal, no meio da noite a dor de cabeça foi fraca, passou com um beserol e claro, perdi  uns 5 quilos. 

domingo, 12 de junho de 2011

Deus me ama, do jeito Dele,mas me ama

Não se preocupem. Não corro o risco de ficar entalada nessa cadeira do computador comendo doces. A provadora aqui e o provedor lá passam por provações, rá rá rá. Estou doente há dois dias. O provedor também. Vai e volta, vai e não volta, uma chatice.
E eu nem na sopinha. Enjoo, febre, dor no estômago. Chá que o caseiro preparou: losna, boldo , macelinha e alecrim. Batata cozida e coca-cola. Mais nada.
Então, vejo TV.
Preguiça de mudar de canal, vi GNT o dia todo. Sabe o que seria legal? se a Bel Lobo decorasse a casa da nutricionista e esta emagrecesse a Supernanny! Ah! ia ser divertido!
Bel e o marido foram nossos alunos, bonito casamento!  Como fico autocentrada quando estou doente, me achei quando ela explicou à admirada adolescente que ela era capaz de fazer aquilo tudo porque " tinha estudado"!! Mas Bel, não colocou nenhuma prateleira pra livro! pô Bel, dá uma força aí!
Mundo estranho esse.. adolescente sem livros, pais que precisam serem educados e uma nutricionista que obriga mãe e filho a comerem mingau de aveia sem açúcar pela manhã e eles , pasmem, obedecem!!!


E vi programas sobre comida! MUITOS!
Nada muito aproveitável, pois são estrangeiros. Há uma mulher bonitona da Nova Zelândia que fez bolinhos de um peixe nativo com bolo de chocolate.  Um dono de restaurante acho que da áfrica do sul que serviu doce de  leite condensado com banana. Olivier fez fraldinha. E , estranhamente, o maior lance desses realities shows é ofender os participantes! A turma australiana do Master Chef disse que estava comendo grama, quando era rúcula. Eles fazem as pessoas chorarem, isso é uma loucura. O Troisgros, do que Marravilha também fez pessoas que odeiam cebola comerem cebola. E o que todos mais desejam, até no Dr. Oz que também vi, é mudar a vida. Porque isso? Pra que tanta insatisfação?
Mas, já que estava vendo tevê , aprendi com a  Julia Lemmerts que dava pra ajudar de uma maneira bacana crianças brasileiras e amadrinhei uma pela Action Aid.  Quase ia ajudando os médicos sem fronteiras da Malu Mader, mas achei o cabelo dela estranho e não fiz.  Já paguei e vou informando a vocês como a coisa funciona.
Vi pela segunda vez a Nigella fazendo um doce de açúcar mascavo, mas, pela segunda vez perdi exatamente o mesmo trecho da receita, dessa vez foi por que, pela segunda vez, lembrei que estava fazendo chá e deixei a chaleira no fogo secando. Podexá, o QI fucionou e  acabei de encomendei uma que apita .
E vi uma criança cuja mãe não permite que ela coma carne, e amas mãe e filha  não parecia saudável,e outra criança que a mãe permitia que a filha só comesse pizza e ambas pareciam muito saudáveis. E a Atriz Kirsty obrigando a filha e sei lá mais quem , que são magros, a fingirem que são gordos só para que não fiquem como ela?!!!!???

Deus, aprecio um bocado sua preocupação comigo, mas, da próxima vez, nada de lições, ok? aceito de bom grado milagres! E com licença que vou voltar pra cama. O dia ainda não terminou. Tenho mais bobices e insolências a assistir.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Bom mesmo é café capital.. é bom, tomo um tomo dois tomo 3

Gente, aqui está um frio daqueles! 11 graus pela manhã, aí , arrebenta ,vai pra 15! depois,de madrugada, pra 4. A coisa é tão séria que minha cadela peluda teve um ataque de tremedeira.
E nada melhor pro frio do que... sopa? conhaque? chocolate quente?
Nada disso: sorvete!!
Bem, eu já avisei sobre o meu problema de QI.
Mas não qualquer um: sorvete de café. O problema é que não tenho sorvete de café. Mas tenho de creme. Resolvido!  Por cima Nescafé. Dá um crocante, um amarguinho bom demais da conta! E pode, também, verter um pouco do café comum, como fiz aí, dá um caldinho bom. Iasmine, a chef linda que conheci na barriga da mãe(participei da vida, pois fui madrinha de casamento dos pais!), coincidentemente nesse video recomenda afogar o sorvete no café .Mas com o  Nescafé fica melhor ainda, o Nescafé é perfeito pra isso. Por falar nisso, que chato, só no nordeste tem a promoção! Eu já adoro a xicrinha , é a que mais uso, ah.. eu quero os pratos! são lindos. Adoro brinde. Entro até em fila pra pegar viseira do banco do brasil, quer mais derrota que isso?
Café é uma coisa boa. E boa com tudo. Gosto de café com leite e gosto de colocar canela sobre o café. No livro Assando Bolos em Kigale, livro seríssimo sobre AIDS, a protagonista faz bolos, mas não nos passa as receitas. Elabora mais a decoração dos bolos, no entanto, sempre serve um cafezinho temperado com  cardomono. Nunca tinha ouvido falar. Comprei uns grãos pra provar. Não devo ter feito certo, pois não vi graça nenhuma no sabor do café. Mas gostei do tal cardomono.

Quando eu morava no Rio, ia sempre à livraria Leornado Da Vinci. Lá, inexoravelmente o papo com Dona Vanna regado por um café batizado com alguma bebida forte. Era bom. Agora nao posso mais beber nada que a cabeça dói, nem chocolate, então, vamos ao café!
Terminei de ler o maravilhoso livro de Cynthia Voigt , o terceiro do ciclo dos Tillerman , Solitary Blue. Maravilhoso como os dois anteriores. Nesse, Jeff, um garoto do colégio de Dicey, conta como foi ser abandonado pela mãe. A mãe era como o personagem de Hair , easy to be hard, desses que amam a todos, amam a humanidade, mas não conseguem amar o próximo, o filho, o marido. E a mãe de Jeff, quando o abandona pra salvar o planeta, deixa um bilhete avisando que tem cachorro quente na geladeira. Jeff só tinha 7 anos, mesmo assim , foi cuidar da refeição do pai, e o pai toma café. Aqui, a autora fala dos radicalismos da mãe de Jeff, Melody, que proibia o marido de tomar café pois cafeína viciava.  No caso, o pai de Jeff faz o café em um recipiente Chemex acho que não temos aqui no Brasil.

Já fiz café de vários jeitos, e, pra mim,o melhor é no pano mesmo. As cafeteiras elétricas resolvem mas pecam pela temperatura. Aquele italiano, sextavado, não gosto. Mas a Neide me deu um individual bem legal, uma xicrinha com um filtro pronto sobre ela. Só que os filtros prontos sempre deixam um pouco de pó passar. Mesmo assim, uso bastante. Tentei achar o jingle do Café Capital que intitula esse post, mas não encontrei. Em compensação encontrei esses ai sensacionais do Café Seleto. A criança toma café, coisa de brasileiro. Sempre achei estranha a proibição dos americanos. Laura Ingalls não podia tomar café quando criança e várias outras personagens.  E é ótimo ver o cumprimento do hippie com o careta de terno, tudo em torno do café.

Por falar nisso, vou requentar agora  um cafezinho no microondas, 45 segundos bastam. Tá  um frio daqueles, principalmente depois da burra aqui ter tomado sorvete. Fiquem com as imagens de hoje de manhã. A primeira foi tirada ás 6 e meia, a segunda, ás 7.

brrr!!

terça-feira, 7 de junho de 2011

Vá Lamber sabão!

Sou do tempo que sabonete era presente de aniversário. Sério, Jovem! quando eu era criança a gente ganhava sabonete de presente. Uma tradição! até Laura Ingalls conta que deram um sabonete pra professora! E eu ainda peguei essa onda. As avós, coitadas, não escapavam. Caixinhas e caixinhas de talco e sabonete.

Quando surgiram os sabonetinhos de lavabo em forma de rosinhas foi um auê, tudo coloridinho, muito lindo, mas não lavava nada nem por um decreto! Um inferno, a gente ia ao banheiro queria lavar a mão e o desgraçadinho desfazia as pétalas mas não fazia espuma.
Na casa da minha avó não era assim, a saboneteira dela era pendurada com um ímã, aí o sabonete tinha uma chapinha de refrigerante enfiado nele que grudava no tal penduricalho, era legal.
Aqui, tenho um sabão feito com cinzas fantástico! foi feito pela avó do Jair há mais de , pasmem, 50 anos!!!!! E o bicho é ótimo. Lava que é uma beleza!
Mas, nada igual a esse branquinho, safra da casa.
Todo óleo de fritura usado (uso umas 4 vezes o óleo se for de batata, mas se for de coisas a milanesa, uma vez só) é coado e guardado até fazer 5 litros.
Aí, é misturado com 1 l de soda cáustica e um 1itro de álcool.
Tudo num balde de plástico. Aí a Raquel pega um pau de vassoura e mexe vigorosamente por 20 minutos. Ela gosta, é por prazer!
Não adianta fazer essa cara não, ela gosta mesmo.
Aí para. (agora é sem acento, né?)
Forra um tabuleiro com plástico e deixa o sabão nele por dois dias. Corta e pronto, aí está! sabão pra nós duas! Ela não gasta mais dinheiro com sabão e nos sentimos politicamente corretíssimas! O sabão é ótimo, cheiroso, cheiro bom de limpeza , de pureza, não precisa de cheiro algum! A pele fica macia , é ótimo, recomendo!

sábado, 4 de junho de 2011

Os olívios

Um francês-brasileiro e um inglês. Ambos no mesmo dia!
O ingles, com muita pressa, me ensinava a preparar uma refeição em trinta minutos.. RÁ!!! A refeição , o prato principal, levava pedações de salmão e lagostins, claro que são coisas mineiras, da roça (rá rá rá rá rá !) que sempre tenho em casa, muito prático pra uma visita de última hora..  Mas, surpreendentemente, ensinava uma torta de banana que me surpreendeu . (eu tô qui tô!)
Já o franco-brasileiro ensinava uma torta de cupuaçu com chocolate cujo começo tinha de ser feito na véspera.
Bem, aí juntei um com dois e fiz três.
Fiz a massa, apelei pra Gina pra me explicar o que fazer com o feijão usado pra massa não inchar ( ótima dica: guarde para a próxima!) , mas, como ia dizendo, fiz a massa mais ou menos. Sem medir nada, claro, um tanto de farinha, uma gema de ovo (caipira) meia xícara de leite desnatado, margarina qualy gelada, uma colherzinha de açúcar, uma pitada de sal. Dentro do saco e dentro da geladeira por uma hora, nada de um dia pro outro.
E coloquei um tanto de açúcar cristal na frigideira, derreteu bastante mas não tudo , eu mexi pra ajudar  o que não creio ter sido uma boa ideia.
Bati umas 4 bananas pequenas com um tanto de leite desnatado e misturei, foi legal!
Ah! eu já tinha preparado a massa, coloquei em uma assadeira pois não tenho forma de torta (não vi ainda pra comprar, só as pequeninas) e cobri com papel laminado depois de ter furado com palito ( a forma era tefal) e coloquei alguns feijões, deu certo! Quase queimei, mas fiquei de olho, não queimou não.

Aí cortei um monte de bananas e fui enfiando nesse creme. Provei. Achei doce demais. Tasquei canela por cima das bananas. Melhorou , aí , como tinha sobrado a clara, bati com um tico de açúcar, coloquei no forno pra dourar e, por cima, raspas de limão.
Seguinte: se eu ficar algum tempo sem postar é que estou internada em alguma clínica de emagrecimento!!!!!!!! Rá ra!! que coisa boa!E viva os dois Olívios!!!

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Anne of Green Gables

Estou radiante! descobri esse site  procurando pela receita de buttercup cake já que no capítulo sobre o pic-nic em Anne of Avonlea , Anne planeja um lanche contendo Lady fingers (nossos mini biscoitos champagne, creio); tortinhas com geleia, biscoitos com glacê amarelo e rosa e o tal bolo amanteigado.
Vocês leram na sua infância? confesso que só li recentemente, li até o quarto livro. Ainda faltam 4!
É livro de menina, assim como As Mulherzinhas . Uma distração. E, volta e meia Anne se vê às voltas como desastres culinários, como ao colocar duas colheres de açúcar nas ervilhas.
Mas eu me lembrava de um bolo desastrado, daí dar de cara com esse buttercake e o site que me fez feliz.
Sempre tive um certo respeito com os bolos. Eles tem vontade própria. De vez em quando solam ou queimam. Quando solam, eu os transformo em biscoitos, adoro! Corto em tirinha e mete-os novamente no forno até torrarem, sem queimar.
Mas fiz um bolo de laranja que... já disse que estamos em época de laranja, não? Facílimo! com casca e tudo! E delícia.. comi quase tudo sozinha. O marido gosta,mas ele esquece que existe e eu aproveito e como.
2 laranjas medias inteiras, com casca. Corte o topo das laranjas, tire a parte central branca e os caroços. Bata no liquidificador com 2/3 de xícara de óleo de canola (foi o que usei) e dois ovos(usei caipira, fica amarelinho!)


Aí mistura na mão, devagar com 2 xícaras de farinha , 1 de açúcar (se gostar de mais doce, coloque duas, eu fico com uma só) e 1 colher de sobremesa de fermento ( se quiser coloque mais também) . Misturar e colocar em forma untada e enfarinhada em forno quente, abaixar o fornno pra médio e deixar 30 minutos. Esse brilho foi uma calda que coloquei de suco de laranja com açúcar. E esse rombo eu fiz com ele ainda quente!!! Comi tudo isso de uma vez só!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Enrolando

Assisti na tv um filme mexicano bárbaro: 5 dias sem Nora. Um espetáculo. Premiadíssimo. E a comida é uma das personagens principais. Pena que não se dediquem mais a nos explicarem sobre ela.  O banquete final é de dar água na boca! Nora é uma suicida, sempre tentou se matar,e, finalmente, na época de celebração da Páscoa judaica se mata. Dois problemas: não se enterram suicidas e não se enterram nessa época suicidas ou não.

Mas Nora antes de ir, e é assim que começa o filme, prepara a mesa da festa, muito linda, toalha, pratos, talheres. No freezer, tudo explicadinho para que sua católica empregada Fabiana organize a ceia. Nas fotos acima vemos o ex-marido José trocando as explicações de preparo dos ingredientes perfeitamente organizados no freezer. Também, a prima escamando o peixe para a refeição sob o olhar atento de Moisés , assistente do rabino que ora o corpo, mas, que no fundo, tudo o que ele queria ser era um chef. Uma pizza chega para horror do rabino que acha que é uma afronta, já que não é época de se comer linguiça ou pão fermentado.
Pena que não encontrei fotos do banquete em si nem de Fabiana preparando as folhas de uva para enrolar a comida. Queria tanto o menu daquela festa!

Coincidentemente ou não, pois não tem nada a ver, vi Ana Maria Braga enrolando coisas em repolho. Ah! vou enrolar também!
Inicialmente eu já tinha um recheio de frango perfeito . Foi um engano. Preparei o frango para estrogonofe mas não tinha molho de tomate nem pronto nem tomate suficiente para fazer. E o marido anda meio cansado de comer frango em condicões normais.

Aí, o frango tinha sido picado em cubinhos, refogado deliciosamente. Ao perceber que eu não tinha o molho de tomate, tasquei molho inglês. Mas ele não quis. Nem provar. Então, processei tudo com um restinho de pimentão picado e virou hamburguer (passado no ovo e na farinha de rosca) Lambeu os beiços!

O frango processado estava na geladeira, acrescentei um ovo batido nele e o resto de muzzarela (afinal,como se escreve essa coisa?)
Aferventei folhas de repolho roxo, estiquei direitinho em um pano de prato fazendo um forro. Por cima, o frango moidinho com queijo. Enrolado  como um rocambole e geladeira ainda no pano de prato. Horas depois, abri, retirei e cortei as rodelinhas. A essa altura já tinha chegado o molho de tomate, salpiquei queijo e forno! Uma delícia! Quer dizer,eu comi o repolho e ele o recheio . rá rá!