quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Três coisas

Primeira coisa:
Alguns produtos industriais, convenhamos, matam a pau de tão bom. Além de já virem prontinhos são deliciosos. Não sei se fazem bem, se fazem mal, mas fazem bem ao tempo e ao paladar. Amei de paixão o pão com nozes e castanhas da 7 boys . Delícia! saboroso e realmente cheio de nozes e castanhas!!


Segunda coisa:
Algumas casas , famílias, habitam a nossa memória palativa  com pratos deliciosos. Foi assim com a minha amiga árabe. Ela é quase a minha amiga mais antiga. A gente se conheceu aos 4 anos de idade, e, até hoje, conversamos como ontem. Mas ao longe. A comida na casa dela.. jesuscristinho! tudo era bom. Bom de um jeito inexplicável. Eu que nunca fui muito chegada à carne comi na casa dela um roastbeaf que devia ganhar alguma medalha. Farofa, farofa deliciosa! ( me falou que era feita com biscoito água e sal) , tudo era bom.  Aqui, de vez em quando, ataco de kibe. E tenho folhas de hortelã pra dar e vender. Fiz e recomendo um tabule meio lá meio cá, pois foi sem pepino.  Meio saco de trigo pra quibe ficou de molho por duas horas. Depois escorri com um pano, deixei sequinho. E coloquei cenoura ralada, tomate cereja em pedacinhos, hortelã picadinho, cebola, cebolinha, salsinha. Azeite, vinagre e limão e vou te contar um caso:  Dez! Nota dez!!

terceira coisa:
A cantora vinha almoçar aqui!! Que emoção!! A cantora, embora seja da região, mora na Europa. E , que honra, ela, que é uma das melhores cantoras do Brasil vinha pra cá, pra minha casa!!  E o marido estrangeiro. O que oferecer?
Decidi pelo menu brasileiro: arroz, feijão preto, frango bem feitinho partidinho, refogadinho, farofa gostosa na manteiga, batata frita com alho, uma linda salada e , sei lá se não comem feijão, como já aconteceu com o marido de outra cantora, ou se não comem carne como a professora e a moça que não come carne, decidi um prato alternativo pra completar.

Bolo de milho.  OU souflê murcho de milho.
Simples: duas latas de milho Quero; 2 ovos, um pacotinho de creme de leite Paulista, uma xícara rasa de queijo ralado, duas colheres de manteiga derretida, meia xícara de farinha e uma colher de chá de sal.
Passei tudo isso no processador, as claras bati em neve, e deixei por 35 minutos no forno em forma untada e enfarinhada.  ACERTEI!!! O marido dela adorou!! Comeram de tudo, adoraram, repetiram. E  ele disse que adora milho!! Que é um de seus sabores prediletos.
Ah! só podem ter soprado no meu ouvido!
Acabei esquecendo de fazer a couve. Nem deu pra comer o pão de queijo que deixei pronto pra assar. Vou congelar.

Ainda provaram o meu licor de amoras e adoraram. Aliás, estou em época de amoras! Muitas, várias ! Vou precisar comprar 4 Minutos da Arriver, pois ainda tenho uns 5 kg congelados do ano passado!

De sobremesa, salada de fruta, sorvete de creme kibon, bolo de laranja, cafezinho, queijo de minas e doce de leite da região que a cantora trouxe de presente.

Agora, pergunto: o que pode ser melhor que isso? Conhecer um casal nota dez (sim, ninguém conhecia ninguém, só a VOZ) não queimar ou salgar nada, tudo dar certo.. só poderia ser melhor se eles não morassem na Europa pra tudo reacontecer! A Emoção foi tanta, que as fotos ficaram fora de foco, e o dia terminou assim:





quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Até o final pro bem e, infelizmente, pro mal.

Fui enganada!! Caí feito um patinho!! A propaganda me prometia um filme com a interessantíssima atriz Tilda naõ sei o quê, um romance entre ela e um rapaz mais jovem, sendo que ele era um Chef. Aí, o trailer mostrava uma mesa com convivas e ela provando um camarão que a levou para outro nível de existência a ponto de se apaixonar pelo chef.
Eu, a incauta, falei : OBA!
Gente, é tão ruim que não serve nem pra verbete de filme ruim porque é ruim demais.
Claro, é passado em Milão, o que é interessante, mas não mostra Milão. Aí ela se manda atrás do gajo , mas também a enfiam logo em uma locação quiçá paradisíaca, mas bem parecida com a minha própria casa.

E o filme não anda! E é trágico! É chaaaaaaaaaaato! Comida? Rá! nem essa coisa aí ao lado mostram. Um mísero camarão no prato , uma sopa aguada , e só. NADA! E eu lá, firme, esperando a comida. Nada. Só comeram a atriz, mais nada, e convenhamos que não estava nos meus planos vê-la pelada.  Mas, enfim..
Então, já que a ficção não me inspirou, voltemos à realidade, que inclui necessidade de economizar, que a vida não tá fácil. E eu tenho pena de jogar comida fora.
E aí, conto sobre purê de batatas!
Eu faço como todo mundo,né? cozinho as batatas, com ou sem casca, se sem casca já facilita, se com casca, arranco as peles queimando os dedos, espremo tudo e uma colherada de margarina , um tanto de leite , corrijo o sal e pronto.
Mas sobrou.
E eu tinha feito um frango desmantelado ( um frango inteiro na panela de pressão com os seus temperos, por 30minutos: resultado, a pele solta dos ossos, os ossos soltos dos osssos, tudo solto, tem que catar, e uma delícia. ) Esse frango desmantelado já tinha virado bolinho e o bolinho virado almondega, aí, sobraram umas 4 só e o purê de batatas .
E vou te contar.. delícia!!
As almondegas foram desmanteladas, o purê, umas duas colheres só de purê, entraram na feitura da massa, massa normal, farinha com purê, um pouco de gordura.. Forrei o pirex e salpiquei o resto de queijo ralado, a massaroca de almondegas e ó..O melhor empadão da vida!!



Mas ontem, outra sobra de purê. Parte dela virou bolinho de batata, mas só farinha no purê, dentro, um tico de queijo paremesão. Pra dar graça e surpresa. Outra parte fiz pão! Mas pão inventado: purê de batata e farinha até dar o ponto de pão, o purê estava gelado, uma colher de sobremesa de fermento em pó royal, pra bolo mesmo, fermento normal. Dentro, um tico de queijo de minas.  Que delícia! quentinho ou frio comi tudo. A forma estava com azeite, então deu esse tostado embaixo, e ó, foi o melhor de tudo. Na próxima sobra de purê, em vez de fazer o pão, vou fazer em palitos!! Recomendo!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

É uma brasa, mora!

Continuando a temporada de inaugurações, decidimos que era dia de desembalar a churrasqueira. Pedi ajuda aos universitários, claro. Jair era o mais animado pois, pra ele, a melhor comida que existe no mundo é asa de frango na brasa.
O dia prometia, temperatura amena, brisa fresca de espantar moscas, nada de sol nem de chuva. Asas e entrecoxas no tempero comum, alho, sal, vinagre, e uma vontade imensa de provar as anunciadas Truta na brasa, que existem nos cartazes da cidade.
Inicialmente, uma briga entre homem e fogo.
Imaginei o primeiro ser que esfregou uma pedra na outra e obteve faísca lutando para sua manutenção.
 Os homens debatiam: alcool é perigoso, Jair! envolva pedacinhos de papel no álcool e os deixe na brasa! podexá .. Dona Angela me arruma uma tampa de panela pra abanar.. é melhor comprar o carvão que já vem com acendendor, uma cortiça grande.. o bom é uns graveto de bambu...
e tasca-se graveto o que resulta numa camada de cinza..
Finalmente, o homem venceu! os carvões aceitaram a derrota e ficaram em brasa!
Aí começa.. abana, vai, vem,gradeia, e as asinhas vão dourando e metade do arsenal de pratos e talheres saem da cozinha pra ocupar mesas e cadeiras.
A menina surge: -mamãe está fritando um bolinho e sujou a cozinha toda!
 eu, burramente, brico:- deixa de ser fofoqueira..
e ela: tá com o braço todo queimado!
E lá vai o Jair correndo acudir a mulher. Coitada! foi fazer um bolinho de espinafre, sem receita medida, misturou ovo , espinafre e farinha e o bicho explodiu no óleo quente! Ela espalhou borra de café pelo braço, brava mulher!  Porque será que isso aconteceu? Jair cismou que é por ser fresco demais, verde, acabado de tirar da horta.. não, não acredito.
Voltamos às asas. E envolvi uma truta congelada em papel laminado também. E vou te contar um caso: fica verdadeiramente uma delícia!
Isso aí em cima foi sobra, para a alegria dos cachorros. De resto, roemos ossos e tudo. Mas, sinceramente.. não vale a função. Eu pensava que a minha falta de animação a atender a convites de churrasco se devesse apenas à trilha sonora, mas vi que não. Pelo menos estou preparada pro dia 21-12-2012, na falta de combustível, voltaremos ao carvão.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

ainda em tempo de estreias

A tática da minha mãe com ajudante nova era dizer: oq ue você cozinha melhor? a moça dizia e era isso o que comeríamos. Uma falou que era expert em nhoque. Ah! que beleza de prato sobre a mesa! Meu pai atacou com vontade, parecia que tinham sido enfileirados, tão lindos. Mas o berro de Quincas se fez: Cru!!!  Estavam crus.
Como de outra feita, que em um bar de estrada, pedimos o almoço, essas mesas plenas de pratinhos, e uma gororoba surgiu:
- O que é? indagou minha mãe.
-nhonhoc, a senhora conhece?

Talvez por tudo isso, talvez por nada, nunca fui de nhoc, nhoque, nhonhoque. Achava massudo. Mas cresci e a culinária me interessa, e comprei uns artefatos em lojas de 1,99 que não tem nada de 1,99, só de 8,99, 6,99.. A coisa parece uma nave espacial de plástico branca, com pernas, não entendi o uso e não usei. E fiz nhoc de arroz!
Assim: cozinhei uma caneca de arroz sem nada, sem sal, nada. Processei depois de cozido, ficou mais ou menos. Juntei meia xicara de farinha de trigo, um ovo e sal e amassei tudo, e coloquei um pouco de azeite e um pouco de água até dar pra fazer rolinho. Cortei os rolinhos e tchibum na água fervendo!
Mas tchibum aos poucos, uns 4, 5 de cada vez, eles ficavam lá no fundo, aí começavam a dançar e eu os retirava com escumadeira. Colocava-os em peneira. Aí, num pirex azeitado, depositei os incautos que mal sabiam de sua sorte, e um pouco de molho de tomate feito em casa com tomates cerejas, bem quente,  e quase nada de queijo ralado. Forno
Fiquei fã!



terça-feira, 16 de agosto de 2011

A primeira vez

É muito bacana amadurecer e, ainda assim, ter experiências inaugurais.  Algumas dessas novidades se devem ao fato de que preconceitos nos impediram de provar. Outras, por não existirem mesmo na nossa vida. Cogumelos , pra mim,são novidades. Conheci apenas champignon, coisa de gente chic, de gente fina que fala francês. Terrível. A boca se abria pra morder um gostoso pedacinho de carne em um estrogonofe e mordia, em vez da proteína, um estranho cogumelo. Bontinho, sem dúvida, mas com um gosto seiláoquê e uma textura mais seiláoquê ainda . Mas hoje cogumelos mudaram de nome e de país. Deixaram de ser franceses para virarem italianos: funghi..  e , para tantas viagens, devem ser secos, funghi secchi..
A primeira vez foi na ida ao Rio, comi um macarrão com eles de gritar aleluia no restaurante. Fiz a encomenda, movimentei família e obtive os funghi secchi..
Como preparar?
Pesquisa-se em blogs, livros , e cada um fala de um jeito. A maioria mete um vinho proibido à minha enxaqueca.
O jeito é tirar um pouco de cada um.
coloquei os estranhos na água.
Meia hora depois já estavam moles e nojentinhos, no ponto.
Usei a água na água que ia cozinhar o macarrão.
O macarrão ficou pronto!
Numa tefal, coloquei os cinzentos picadinhos, bem picadinhos com um pouco de leite  e sal. Ferveu. Aí azeite e creme de leite. Provei.. hum...
a casa ficou com aquele aroma especial, diferente (minha cozinha é aberta, não tem parede) e o marido sorriu feliz!
Recomendo!

sábado, 13 de agosto de 2011

Agradando, variando

Se eu fosse pra uma ilha deserta e só pudesse levar 10 filmes, (cismo com essa coisa de ilha deserta só levando dez coisas) certamente incluiria Shirley Valentine. Adoro essa comédia tão feminina. Se eu assistir dez vezes consecutivas (cismei com o número dez hoje, porque será?) vou me divertir e rir das mesmas passagens. É o tipo da história que me agrada, uma senhora chutando o balde e vivendo feliz pra sempre depois. (vejo que está em cartaz no Rio dessa vez com Betty Faria, já tinha sido encenada com a Renata Sorah) Logo no início do filme, conhecemos uma Shirley casada com um marido chato que só comia a mesma coisa sempre com exceção de um dia na semana, algo assim. E ele surta quando não tem a sua salsicha de quarta feira, ela faz ovo e ovo era pra ser na sexta (se não for isso , é quase isso)
Aí ela chuta o balde e vai pra Grécia para nosso gáudio.

(boa decisão pra quem está em Londres no dia de hoje, por sinal)
Bem, viajei, voltei, e quando a gente viaja , ao chegar, tudo o que queremos é o básico do básico, simplicidade. Arroz, feijão, batata, farofa e franguinho em pedaços, cozidinho.
Mas, no dia seguinte, voltamos a agradar ao marido que não é lá muito de repetir menu.
A batata assada que sobrou, cortei em tiras fininhas, untei o pirex com azeite, coloquei as batatas. Não salguei porque o frango estava já tinindo de sal de um dia pro outro. No meu querido processador, o resto do frango virou praticamente um creme, coloquei duas colheres rasas de farinha, um ovo. Tudo batidinho. Cobri as batatas com esse creme, por cima, rodelas de cebola.
25 minutos de forno foram suficientes. Bom de verdade! Ótima reciclagem. AH! esqueci, por cima , antes da cebola, coloquei farinha de rosca.
Eu tinha tomado uma decisão, mas já mudei. O médico me tinha sugerido passar 3 meses sem tocar em leite , segundo ele, nunca mais eu teria enxaqueca.  Então, não só fiz esse frango reformado sem leite como refiz o bolo de casca de laranja. Esse é o grande barato das culinárias caseiras e naturais! Nunca sai exatamente igual! Dessa vez, como as laranjas estavam com a parte branca grossa demais, dei uma debastada, acrescentei mais uma.. pronto! foi o suficiente pra mudar tudo! e continuou ótimo, e como usei o meu processador em vez do liquidificador, ficou aparentemente pedaçudo, aparentemente, pois na hora de comer não tinha pedaços, mas , hoje, nodia seguinte, ficou meio puxa, uma delícia!


Ó, mas só pra constar, desisti da dieta sem leite por enquanto. Prefiro fazer um exame pra saber se a dieta vai funcionar. Sei se eu comer uma lasca de chocolate no dia seguinte tenho enxaqueca, mas eu tomo leite desde sempre, diariamente, em todas as suas formas, várias vezes por dia. E não enxaqueco diariamente.. Logo, não vou me precipitar.

sábado, 6 de agosto de 2011

Sei lá, mil coisas



Cabeça está confusa, mas isso tudo foi muito bom!
E é bom fazer coisas boas. Vocês ja´viram o filme chato pra caramba mas cheio de maravilhosas tortas chamado Garçonete? Dá vontade de comer todas as tortas que ela faz! E os nomes que ela dá para as tortas são divertidos. E não entendi porque ela odiava tanto aquele marido não. Ela também não era nada tãaaaaoooo...
Mas o legal é fazer e ter prazer, não? E essa foto esquisita que encima o post de hoje é uma combinação mágica! A couve-flor a milanesa fiz no forno. Ela foi cozida ao vapor, depois passada no ovo caipira, na farinha de rosca e, no forno, untei a assadeira com azeite. Bom e saudável e coisa e tal!

Ah.. mas essa mistura de frango aí foi nota dez e meio! Em geral, limpo o peito de frango Sadia ou Perdigão , pois sempre vem umas gorduras brancas , e deixo no sal, vinagre e alho na geladeira esperando a inspiração. Havia só dois pedacinhos que foram moídos juntamente com o peito de frango desfiado da  pif paf, adoro, tenho sempre na geladeira. Misturei tudo com salsinha, cebola , três colheres de queijo ralado no meu novo processador! Estou amando esse processador mas o liquificador não serve pra nada, pois tem que ter um jeito danado pra colocar, senão vaza, só pode usar por 15 SEGUNDOS senão estraga e o espremedor de laranja também é horrível, pois é tão veloz que faz um furo na laranja, machuca a mão da gente e não pega a lateral da casca. Mas oprocessador é bárbaro.
Aí, coloquei uma colher de farinha e meio pacotinho de creme de leite Paulista já que NUNCA sou sorteada pela mococa.   E é muito bom, é menos gordo, o sabor é ótimo , a embalagem é perfeita.

E aí, forno! Depois é caso de agradecer aoPapai do Céu.

E hoje madruguei. E foi isso oq ue vi no céu. E tinha fome e fiz o pão aí de cima assim: na batedeira coloquei um ovo, 7 colheres de farinha de trigo, 1 colher de sopa de fermento em pó (normal, de bolo) duas bem cheias de queijo ralado, 2 de margarina. Aí fui colocando kefir pra amolecer, até ficar bom, sei lá, talvez meia xícara. Fiz a bolinha e aí está. BOM DEMAIS!!!! quentinho, macio, meio .. não é crocante é.. crispy, é... sei lá, fantástico. E em 20 minutos de forno.  E vou fazer que nem a garçonete , batizar as comidas: pão de madrugada.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Saúde

Estava me sentindo mal. Sabe como? Aquele famoso mal de junta,junta tudo e joga fora. Pois é. Então me meti numa batelada de exames , aqueles noves fora nada. E descobri, nisso tudo, que sou diferente! Pois é. Lá estou na fila de exame de pulmão e vem uma senhora e me diz: ó, estou atrás da senhora. A mocinha lá da frente me disse: a senhora vai ficar atrás de uma senhora diferente.
-Eu sou diferente?- perguntei.
- Ah é..muito diferente...
Então, sou diferente.
E vieram os resultados dos exames:  meu mal é.... saúde!
Te juro.

Acho que desacostumei com a saúde, daí estar passando tão mal.. Nem nos dez anos de idade tive um exame tão bom.
Também, pudera estar tão saudável, alimentação ótima, como esse fabuloso bolo de frutas inventadíssimo! O médico me recomendou parar de tomar leite e seus derivados , segundo ele, se eu parar, nunca mais terei enxaqueca. Depois do show do marido eu paro. Juro. Vocês vão, né? vocês de SP, Campinas e proximidades, espero vocês!!!! Por favor, vão sim! O lugar é legal e é grande e a gente não conhece ninguém, ajudem a não ter vexame! E o cd está MARAVILHOSO! de verdade. Não vão se arrepender. Procurem no youtube, ouçam algumas de suas canções.


Então, o bolo de fruta fiz sem leite e sem manteiga. 2 xícaras de farinha de trigo, um quarto de xícara de aveia (saudável pacas) umas três colheres de óleo de canola, dois ovos caipiras, uma xícara um pouco vazia de açúcar mascavo, metade de uma xícara de suco de tangerina e mais: duas bananas prata pequenas amassadas, uma colher cheia de canela, uma colher rasa de noz moscada, pedaços de maçã, pedaços de tâmaras, passas, nozes, amendoas torradas.. e o resultado foi esse:uma delícia nutritiva, saudável que durou um tempão sem estragar, sem ressecar. Um bolo maravilhoso acompanhando o cafezinho!